NA JBS MEIO BILHÃO É TROCO DE PIZZA, NÃO É MEIRELLES?

Por Humberto de Luna Freire Filho

Resultado de imagem para imagem Joesley e henrique meirelles
IMAGEM: G1 – Globo.com

Deixando o presidente Michel Temer de lado, vamos dar um “rolê” em torno dele. Primeiro, seu mais importante ministro, o da Fazenda, o senhor Henrique Meirelles.  Esse foi presidente do  grupo JBS de 2012 até 2016, exatamente no período quando foram distribuídos meio bilhão de reais para políticos corruptos. Mas  aconteceu  o inusitado, o inocente presidente do grupo não sabia de absolutamente nada. Quando  pressionado sobre as falcatruas do grupo, o ministério da Fazenda emitiu nota oficial, afirmando que Meirelles não era presidente da empresa, apenas fazia parte do conselho.

Meio bilhão de reais de dinheiro roubado do erário entre bilhões não passa de troco da pizzaria, não precisa contabilizar; portanto, jamais essa despesinha chegaria ao presidente do grupo que tem mais o que fazer, não é verdade?. Espero que o senhor Meirelles não pense que ainda está na JBS e comece a  liberar dinheiro do Banco Central (BC),  ou do BNDES para engordar a conta-corrente de políticos corruptos.

O ministro da Casa Civil Eliseu Padilha, Eliseu “Quadrilha” segundo o falecido Antônio Carlos Magalhães, está mais enrolado em falcatruas do que fio de bobina, e para completar o Ministro-chefe da Secretaria-Geral da presidência, Moreira Franco, o famoso gato angorá , também não fica por baixo no campo da corrupção, foi para Brasília por em prática a experiência adquirida quando governador do estado do Rio de Janeiro.  Sintomaticamente  os dois  se reuniram com o  presidente  e foram fotografados, sendo as fotos publicadas hoje (22/05) na primeira página do jornal, O Estado de São Paulo.

Humberto de Luna Freire Filho, médico

Facebookmail

4 ideias sobre “NA JBS MEIO BILHÃO É TROCO DE PIZZA, NÃO É MEIRELLES?

  1. Mais de R$ 10 bi a juros de pai pra filho pra construir indústrias (mais de 50) e gerar emprego (mais de 70 mil) nos EUA, onde estão 80% das empresas do grupo, com o beneplácito do BNDES e a benção do Ministro da Economia? Que o Brasil não é um país sério, De Gaulle já havia dito no século passado. Mas poucos perceberam que nesse circo o palhaço é o povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *