NOSSO LIXO POLÍTICO PARA 2018

Por Humberto de Luna Freire Filho

Resultado de imagem para imagem para lula
IMAGEM: Revista Veja

Resultado de imagem para imagens para marina silva
IMAGEM: G1-Globo.com

Faltam  onze meses para as eleições, inclusive para presidente da República, e analisando o lixo  que compõe a leva de pretensos presidentes, resolvi falar um pouco  de cada um deles, independente de suas posições nas pesquisas de intenção de voto. De início escolhi dois, os demais virão na sequência.

Para iniciar quero comentar o último pronunciamento político do jerico de Garanhuns. O sujeito é nojento, dá náuseas, mas vamos lá. O Cínico acaba de declarar que fará uma segunda carta à nação, a primeira há alguns anos foi dirigida aos empresários. Essa agora será dirigida à classe média e ao povo sofrido, vítima do atual governo.  Diz o crápula que será candidato à presidência e que é o único candidato em condição de tirar o país da situação que se encontra.

Ainda estou meio cético quanto à leitura dessa carta, será que ele saberá escrevê-la? Existe um fato extremamente interessante e até cômico que ouvi de um destacado jornalista brasileiro, ao relatar um fato ocorrido em Portugal quando do lançamento  do livro de José Sócrates, prefaciado por Luiz Inácio Lula da Silva. É que depois do lançamento, descobriu-se que o autor do livro não era o autor (o autor é um assessor) e que o prefaciador não sabe escrever.

Espero que na carta dirigida à classe média ele, o jerico, peça perdão e conte o que fez com a Petrobras, como e porque distribuiu o dinheiro do BNDES com as ditaduras africanas e sul americanas, principalmente Cuba, e em quais paraísos fiscais  escondeu o butim para que possa ser repatriado.

O segundo candidato da série é o besouro da floresta, Marina Silva, essa não diz coisa com coisa. Vou aproveitar para reproduzir dois de seus “importantes” pronunciamentos, tão complexos a ponto de deixar os jornalistas necessitando de alguém para tradução simultânea e legenda para os telespectadores e sem tradução para surdos.

Primeiro pronunciamento. Vejam essa pérola filosófica: “Chega de políticos de curto prazo para alongar o prazo dos políticos. Precisamos de políticos de longo prazo no curto prazo dos políticos (Marina Silva).

Segundo pronunciamento: “Quando o desapreço pelo exercício da autoridade, disputa instaurar-se como regra, abre-se o perigoso caminho pelo qual marcham sem escrúpulos os que se arvoram o direito de decretar destinos, eliminar diferenças e usurpar a construção coletiva da verdade” (Marina Silva).

Deu para entender tudo? Eu não, me explica, por favor! Só sei que não é “dilmês” é “marinês”

Humberto de Luna Freire Filho, médico

Facebookmail

10 ideias sobre “NOSSO LIXO POLÍTICO PARA 2018

  1. O povo brasileiro está no mato sem cachorro, à mercê dos que vierem como salvadores da pátria ou heróis arrependidos…..eleições a meu ver em hora indevida, não temos candidatos nem líderes sérios…….em quem votar????
    Não merecemos tanta bandidagem….falta de caráter e mentiras…..

  2. Um jerico e um besouro da floresta, idiota, analfabeto, ladrão, bandido; um inseto, nojento se acham competentes à uma eleição. Só mesmo no país de idiotas. Não mereço…

  3. Humberto, sempre fui cético em relação ao nosso Brasil. Penso que nossas gerações passadas poderiam ter agido como nos Estados Unidos, fomentando uma migração em massa, como lá. Poderiam ter percebido que a força que moveu os Estados Unidos foi a mistura de raças, a importação de gente com idéias novas e muita vontade de trabalhar. Deu no que deu. Já no início do século XX os Estados Unidos eram uma potência industrial. Só para se ter uma idéia, no mesmo período em que os Estados Unidos receberam 45 milhões de imigrantes, o Brasil recebeu apenas 4,5 milhões. E a gente sabe que os estados brasileiros que mais se desenvolveram foram os que mais receberam imigrantes. Italianos, alemães, japoneses, espanhóis, portugueses, poloneses, entre outros, foram eles que deram impulso ao progresso do sul e sudeste do Brasil. Depois vieram os nordestinos para consolidar a posição de progresso dessa parte do Brasil. Como a imigração foi muito pequena nas demais partes do país, elas permaneceram em desvantagem na corrida para o desenvolvimento. Dito isso, retomo o assunto abordado aqui. Passou da hora de nossos melhores quadros ingressarem na política, de modo que fique para trás o tempo em que canalhas como Lula tenham a mínima possibilidade de vencer uma eleição presidencial. Esse cínico, mentiroso e ladrão de dinheiro público tem sim é que pagar pelos seus crimes, que não são poucos, cometidos de há muito e de conhecimento de todos.

    • Abel, a imigração para os EUA, no início, foi feita na grande maioria por irlandeses que para lá foram com a finalidade de construir uma nova pátria. Na mesma época, recebemos colonizadores e no último século, principalmente durante as duas grandes gueras, os EUA (país democrático) receberam toda a elite pensante da Europa, excelente mão de obra especializada, enquanto o Brasil vivia a ditadura de Vargas.

  4. Verdade, Humberto, durante a Segunda Guerra Mundial, milhares de pessoas tentavam sair da Europa em guerra, à procura de um porto seguro nas Américas, mas a ditadura Vargas tornava essa tarefa quase impossível para os que tentavam vir para o Brasil. Melhor para os Estados Unidos, que receberam toda sorte de perseguidos, de artistas, como Marlene Dietrich, a cientistas, como Albert Einstein, e milhares de imigrantes anônimos, que queriam reconstruir suas vidas, em perigo na Europa.

    • Abel, os europeus eram meio céticos quanto a democracia brasileira, principalmente com a demora para que o Brasil de Vargas declarasse guerra aos países do eixo, o que só aconteceu em 1944 depois que os EUA puseram a pique, nas costas brasileiras dois cargueiros nossos e declarassem que fora um ataque de submarinos alemães. Meu pai foi ex-combatente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *