INTERVENÇÃO MEIA BOCA? NÃO!!!

Por Humberto de Luna Freire Filho   *deputado não reeleito  é deputado preso*

GENERAL AUGUSTO HELENO RIBEIRO PEREIRA – UM PATRIOTA NA RESERVA
Resultado de imagem para imagem para o general augusto heleno
IMAGEM: Wikipedia

PEZÃO – UM CORRUPTO NA ATIVA ATUANTE NO GOVERNO DO ESTADO DO RIO
Resultado de imagem para IMAGEM PARA PEZÃO
IMAGEM: Diário da Região

Não sou contra a intervenção no Rio de Janeiro. Sou contra a intervenção meia boca, feita exclusivamente para atender interesses políticos da quadrilha do Palácio do Planalto comandada pelo mordomo da Transilvânia. Já tive vontade de, há 3 dias, fazer um comentário nesse sentido  e não o fiz. Agora, ouvindo o pronunciamento de um militar  patriota, o General Augusto Heleno, resolvi fazê-lo.

Ele começa o seu pronunciamento alertando para uma verdade; o Exército não terá poder de polícia. Que tipo de intervenção é essa? O soldado do Exército se depara com um bandido portando um fuzil, praticando um assalto em plena Av. Brasil, apontando a arma para a cabeça de um motorista, e deverá ser tratado como?  Na minha opinião deverá ser imediatamente fuzilado, seria um bandido a menos.

O Supremo Tribunal Federal (STF), se não quiser continuar sendo reconhecido como valhacoto de bandidos, ou no mínimo uma corte onde não tem magistrados e sim político a serviço de corruptos, precisa dar a devida segurança jurídica ao soldado em ação. Ele está expondo sua vida no cumprimento do dever e que, em um possível  enfrentamento com bandidos, o fuzile em defesa da lei e a bem da sociedade.

A sociedade espera que essa corte não se dobre à hipocrisia dos direitos  humanos. Direito humano é o direito do cidadão, não é nem nunca foi o direito do bandido, tese progressista da esquerda podre e burra e  tão defendida pelas Luislindas Valois,  pelas Marias dos Rosários da vida e mais uma fileira de parasitas e gigolôs do Partido dos Trabalhadores (PT), além de outros hipócritas homiziados no MDB e PSDB.

Falei no inicio do texto que a intervenção  no Rio de Janeiro tinha mais caráter político do que razão social e ação técnica. Não demorou muito para que o corrupto, que fez parte do bando de Sérgio Cabral e que inexplicavelmente continua à frente do governo do estado, começar a cobrar do ministro da fazenda, Henrique Meireles, outro corrupto a serviço da quadrilha palaciana, “ajuda financeira” por conta da intervenção.

A essa altura, só me resta perguntar o seguinte: o que eu, trabalhador, cidadão, contribuinte, morador no estado de São Paulo, tenho a ver com toda essa putaria oficial e extra oficial que há anos prevalece no estado do RJ com apoio do governo federal, para ter que arcar com o custo financeiro de mais esse conchavo para enganar incautos? A tudo isso prefiro classificar de mais um ato da prostituição oficial que tomou conta do país.

Está na hora de toda a sociedade brasileira, principalmente a do estado do Rio  de Janeiro, resgatar valores morais  e não aceitar  a vulgarização de certas atitudes impostas pela rede Globo de Televisão, o cancro nacional, como por exemplo, a tentativa de desmoralizar a  Policia Militar do Rio de Janeiro. É verdade que bandidos existem em todos os lugares, mas não vamos generalizar.

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Facebookmail

25 ideias sobre “INTERVENÇÃO MEIA BOCA? NÃO!!!

  1. Humbertinho na minha opinião essa intervenção militar no Rio de Janeiro da maneira que foi formada é fuleragem politica.Sou fã desse Gal.Heleno.linha dura bandido armado assaltando em plena via publica a qualquer hora, tem que morrer; pro inferno direitos humano.So os bandidos são humanos??? As criancas idosos e tantas pessoas trabalhadoras vitimas desses marginais merecem respeito e segurança….pronto falei

  2. From: “Anita” (Add as Preferred Sender)
    Date:Tue, Feb 20, 2018 4:22 pm
    To:

    Humberto, como sempre seus textos são o máximo, e você expressa tudo o que nós, pessoas de bem, pensamos!
    Há pouco recebi um email de uma amiga que mora na França, apavorada, querendo saber exatamente o que está acontecendo aqui, pois soube que já estavam matando oficiais no Rio!

    Veja minha resposta a ela:

    Querida, estamos todos aqui com a pulga atrás da orelha!
    Não se sabe o porquê, nem o como, nem o objetivo, nem “quem quer o quê”!
    As FFAA foram colocadas numa fria!
    Aí estamos nos perguntando: estão dominadas pelos comunistas? Pois é o que parece, uma vez que estão lá no Rio em condições que contrariam totalmente os preceitos militares! estão testando a opinião pública para quem sabe intervir de maneira geral? Isso nos parece ser a única saída que temos, pois tudo está de pernas para o ar neste país! · Mas têm estrutura para essa intervenção? · Tem alguma força mais poderosa amparando as FFAA, ou elas estão mesmo enfraquecidas obedecendo os comunistas? Não sabemos de nada! Há mil conjeturas, e eu sabia da morte de um sargento… será que já morreu algum oficial? Vou me informar!
    A coisa ta preta!!!!
    Ninguém sabe o que vai acontecer, essa é a nossa situação no momento!
    Dê graças por poder estar longe deste rolo!

    Beijos,

    Anita

    É assim que me sinto… no ar, sem conseguir formar juízo nenhum e morrendo de medo de que tudo piore ainda mais!

    Abraços,

    Anita

  3. Caro Humberto,

    Concordo integralmente com sua rotulação: “a intervenção meia boca, feita exclusivamente para atender interesses políticos da quadrilha do Palácio do Planalto”.

    Por outro lado acho fora de propósito e altamente exagerada sua rotulação: “vulgarização de certas atitudes impostas pela rede Globo de Televisão, o cancro nacional”.

    Gostaria de saber quais são essas “atitudes impostas”, pois – mesmo admitindo que órgãos de imprensa frequentemente atuam de forma interesseira (especialmente evidente no caso da Folha de São Paulo) – acho que o sistema Globo tem feito um excelente trabalho de bom jornalismo investigativo.

    Muitas das monumentais podridões dos governos a partir de 2003 têm sido trazidas à tona pela Globo, valendo lembrar também seu integral apoio à Operação Lava Jato.

    Um exemplo de uma excelente matéria a propósito da intervenção “meia boca” (para usar o seu epíteto) é a muito bem fundamentada entrevista levada ao ar em 17/2/18 com a especialista em segurança e professora da Universidade Federal Fluminense – UFF: Jaqueline Muniz.

    Diante da seriedade do que é exposto por ela nesse breve vídeo de 11 minutos (disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=v97Z3RKns7E) sugiro que você poste um outro artigo no seu excelente blog para divulgar essa objetiva entrevista para seus leitores.

    Um grande abraço

    Claudio Janowitzer – Rio de Janeiro

    • Claudio, minha opinião sobre essa emissora é que ela não passa de um veiculo propagador do mal exemplo para a sociedade. Não estou querendo ser falso puritano, mas é inadmissível que crianças e pré adolescentes fiquem exposto às putarias tipo BBB e aos folhetins de baixo nível que com uma indiscriminada inversão de valores tenta desmoralizar e desacreditar os princípios de família. Quanto ao envolvimento político não é de hoje que o câncro está do lado de quem lhes traga maiores benefícios, seja de esquerda ou de direita. Defendeu o movimento militar de 64 até quando lhe foi interessante depois achou que era mais rentável criticá-lo. Hoje defende ideias de uma esquerda podre e burra. Não é só no Brasil. Vive tecendo críticas ao presidente americano Donald Trump enquanto ele está “cantando” e andando para a Venus Platinata. Quero que a Rede Globo se “exploda”.

  4. Há algo de podre nessa decisão, visto que o presidente Temer sabia que a maioria dos brasileiros pede intervenção militar para todo o Brasil aos moldes da que aconteceu em 1964.

  5. Dr. sem duvida a intervenção foi politica, querem dinheiro, a desgraça do Rio e do Pais tem nome Copa do Mundo e Olimpíadas, não vai ser uma intervenção meia boca que vai resolver o problema do Rio e de outros estados, o Brasil carece de intervenção no governo e infelizmente não temos uma liderança politica que possa resgatar a dignidade do Pais, Vc cita a rede Globo poderíamos incluir ai toda a imprensa, parece ate que vivemos em outro planeta, nos enxergamos uma coisa e a imprensa ve outra.

  6. Desde o inicio falei e pensei e se não me engano te falei que essa intervenção era a meia boca e lamentava isso..Precisamos tirar o governador e prefeito incompetentes e corruptos e fazer valer a prisão coletiva sim…Necessitava-se fazer algo do jeito que está não dá pra ficar ou continuar. Nao me importo se consideram a medida politica e que seja , o importante é que se faça alguma coisa melhor do que nada. Na verdade, não se fala disso mas a corrupção da policia graça no Rio e de vento em popa faz muito tempo…e nada se faz…O Rio está desmoralizado de cabo a rabo graças aos maus políticos e agora para consertar não vai ser fácil, até porque isso ai é medida paliativa e não vai durar a vida toda.Na verdade, a intervenção teria que ser para o Brasil todo e não é militar não, o que está levando o Brasil para o buraco e a imoralidade…então vamos de intervenção moral de cabo a rabo no Brasil todo…

      • Nao acredito em candidatura do Temer, sem popularidade alguma não tem a minima chance, quando muito uma embaixada pra refrescar a cuca e alguma dignidade, bom pra ele e a família saírem desse cenário fantasmagórico do Brasil. A passividade do povo brasileiro, infelizmente, nos faz passar por idiotas…..Eles não têm medo de nós…

  7. A meu ver tudo não passa de mais uma estratégia, na tentativa de uma eventual reeleição articulada nos corredores do Palácio do Planalto, ainda quando a impopularidade do governo Temer. só tenda a aumentar. Os atuais dirigentes não apostam mais em nossa memória, mas em nossa insanidade.

  8. Humberto, gostaria de recomendar a todos que visitam seu bloguinho, a ler a matéria escrita pelo jornalista da Veja, J.R. Guzo, a respeito da intervenção no Estado do Rio de Janeiro. Achei um primor. Acho que foi o da última edição. Ele vai fundo na questão da ineficácia de nossas leis penais. Para mim, Humberto, nada irá modificar o quadro de violência atual, sem profundas mudanças legais, que penalizem mesmo os bandidos. Hoje, isso não ocorre. E J.R. Guzo foi muito feliz em sua abordagem. Recomendo a sua leitura.

  9. Obrigado pela correção, não me lembrava mais do nome correto dele, já que não assino mais a Veja. Eu li o artigo no Youtube. Vale a pena ler.

  10. Vamos parar de tanto “tititi” “mimimi” em relação à conduta do exército no Rio de Janeiro, pois a intervenção não foi decretada para proteger bandido e sim para preservar a vida do cidadão de bem e não é porque o exército fotografa um cidadão com um documento de identidade na mão que merece ser alvo de críticas. As críticas devem ser direcionadas para os maus gestores que conseguiram transformar a cidade maravilhosa numa praça de guerra, que se não restabelecida a ordem mediante medidas efetivas se nivelaria à Síria, ao Iraque, ao Afeganistão. Paremos de discursos sensacionalistas e que não resolvem o problema da violência no RJ e apenas a agrava. Melhor ter uma fotografia com o Registro Civil em mãos, que fotografias de bandidos empunhando fuzis e contando dinheiro do tráfico de drogas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *