PELO FIM DA PUBLICIDADE OFICIAL SUPERFATURADA – MENSALÃO MIDIÁTICO

Por Humberto de Luna Freire Filho – É bom “JAIR” acostumando

TEMOS UM IMPRENSA PODRE E VICIADA.Resultado de imagem para logotipó da Folha de São paulo

IMAGEM: Jornal da Cidade.

O presidente eleito Jair Bolsonaro, em recente entrevista, falou em cortar a publicidade oficial do jornal Folha de São Paulo por ter sido atacado por esse órgão de imprensa durante e após a campanha presidencial. Concordo em parte, acho que o corte deveria ser para todos os órgãos de imprensa escrita, falada e televisada. Essa distribuição de dinheiro publico precisa acabar, e nós que atuamos nas redes sociais já deveríamos iniciar um movimento nesse sentido; acabar com o mensalão midiático criado pelo PT. Tornar a imprensa nacional livre e séria.

Não existe um marco legal que regulamente o uso de verbas de publicidade estatal na mídia e isso distorce o verdadeiro papel da imprensa que é de informar com isenção e ter liberdade para criticar o governo quando se fizer necessário. O que vemos hoje é o controle político e ideológico, o silenciamento das críticas por meio da distribuição  dessas verbas, sem contar que esse mesmos veículos de comunicação, usam o BNDES como sendo seus cofres particulares.Tomam bilhões “emprestados” e só pagam os juros subsidiados. Empréstimo assim eu também quero.

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Facebookmail

24 ideias sobre “PELO FIM DA PUBLICIDADE OFICIAL SUPERFATURADA – MENSALÃO MIDIÁTICO

  1. A grande mídia brasileira, Globo, Folha, Estadão, são uma vergonha.
    Dos três grandes, a Globo e a Folha quase sempre foram um lixo moral
    e ético. No entanto o Estadão era uma exceção.

    • Mário, abri uma despretensiosa petição sobre o texto que publiquei hoje. Está no facebook se concordar… por favos, assine e divulgue. Agradeço

  2. Caro

    Com minha formação de publicitário, não posso concordar com a tese. A publicidade estatal pode – e deve – ser útil.
    Mas não pode ser instrumento de suborno. Aliás, nem nas instituições privadas.

    Abrs

  3. Incrível o que trouxe de ruim tudo isso estar acontecendo depois da gestão petista, a herança desse partideco foi muito prejudicial, tudo decaiu nesta Nação e nunca se viu tanta falta de ética, moral e caretice desses bandidos apunhalando pelas costas a própria Nação Brasileira. um descalabro, uma herança maldita dessa canalhada cara de pau desvirtuando nosso Brasil, nossas riquezas, nossos valores, nossa Terra, nossa gente e, nome de tudo o que existe de pior por aqui , ´pois a aposta deles é desconstruir o País ….na aposta do quanto pior melhor!!!

  4. A publicidade oficial sempre foi um canal de corrupção, punindo ou cooptando veículos de comunicação, ou camuflando saída de dinheiro para campanhas e/ ou bolsos.
    Tambem, é preciso acabar essa cultura que a divulgação de uma obra é mais importante que a príopria !
    O Presidente Bolsonaro tem a obrigação de estancar essa fonte de desvios.

  5. Novos ventos já estão soprando e com eles a certeza de que dias melhores se aproximam…O novo governo está no caminho certo. As críticas são fruto da insatisfação dos vencidos. Deixar espernear…

  6. Quem mais gasta com publicidade são as forças armadas. Mas elas, grandes parasitas não têm receita própria, quem paga é o contribuinte. O BB pelo menos tem grandes lucros e pode destinar uns tostões de seus acionistas para essa finalidade.

    • Que se gaste com as FFAA , reserva moral do país, e nunca com uma quadrilha comandado pelo esquerda burra, falida em todo o mundo e que no Brasil usa uma organização criminosa chamada PT cujos principais dirigente estão na cadeia e o restante a caminho dela, para assaltar os cofres públicos. Aceito seu argumento, desde que; você fale qual a Força Armada do mundo que tem receita própria.

  7. Quer dizer que é a esquerda quem está pagando a publicidade do governo de direita e patrocinador do candidato de extrema direita Jair Bolsonaro? Fala sério, Dr. Humberto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *