CUBA COMEÇA A RECOLHER AS “COMMODITIES”

Por Humberto de Luna Freire Filho

A 45 dias do início do novo governo já temos excelentes notícias. A última que eu faço questão de ressaltar é o anúncio do  governo cubano que vai, unilateralmente, romper com o nosso governo o programa “Mais Médicos”, após o presidente eleito Jair Bolsonaro dizer que o Brasil não vai mais financiar a ditadura cubana. Para os que não conhecem a verdade, vou explicar abaixo qual  a finalidade dessa vergonha criada pela anta Dilma Rousseff e paga com os nossos impostos.

 “LEI ÁUREA” CUBANA? FIM DA ESCRAVIDÃO?
Resultado de imagem para imagem para médicos cubanos
IMAGEM: YouTub

Primeiro, pergunto onde está a quadrilha dos direitos humanos que nada comenta e aceita que os profissionais vindos de Cuba, na condição de “commodities”,  recebam do governo brasileiro apenas 30% dos seus vencimentos e que o restante seja transferido diretamente para os cofres da quadrilha castrista? Segundo, por que nada fala sobre a separação das famílias dos profissionais, uma vez que parte dela fica na ilha como  garantia de que o médico não desista de voltar ao “paraíso”?

ONDE ESTAVA A QUADRILHA DOS DIREITOS HUMANOS?Resultado de imagem para imagem para médicos cubanos
IMAGEM: perito.med

A QUADRILHA RECEBIA ALGUM PARA FECHAR O OLHO?
Imagem relacionada
IMAGEM: amarildocharges.wordpress.com

Tem mais, depois de 130 anos tivemos no Brasil uma reedição do “capitão do mato”, serviçal de uma fazenda ou feitoria encarregado da captura de escravos fugitivos. Pois é, Cuba também além dos médicos enviou para cá capitães do mato com a finalidade  para farejar, rastrear e denunciar algum dos profissionais que tentasse deixar o Brasil para um terceiro país. Os próximos 4 anos prometem. O cidadão precisa acreditar e ajudar no que for possível. Já destruímos parte da quadrilha.

Resultado de imagem para imagem para capitão do mato
IMAGEM: Scoopnest.com

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Facebookmail

14 ideias sobre “CUBA COMEÇA A RECOLHER AS “COMMODITIES”

  1. Antes tarde do que nunca! A situação do Médicos Cubanos, clinicando, no Brasil, ao longo do tempo, era insustentável. Não é necessário enumerar os motivos. Era só uma questão de tempo. A Lei de Murphy, que não foi revogada, “diz que se algo pode dar errado, dará. E mais, dará errado da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano possível.” É isso aí!

    • Verdade Zanetti, insustentável para os médico como seres humanos, longe de sus famílias, e também para o nosso governo continuar dando nossos impostos para manter a poder ditadura cubana.

  2. Lula e Dilma criaram esse programa apenas para conquistar votos, medida populista sem nenhum cuidado. Apenas para prestigiar o ditador cubano….
    “………….., sem dúvida de que a indicação de Roberto Campos Neto para a Presidência do Banco Central é a notícia do dia. Mansueto Almeida, permanecerá como Secretário do Tesouro Nacional. É outro fato. O presidente eleito vai assim definindo sua equipe de governo. Gostaria, no entanto, de abordar um assunto que realmente conseguiu me incomodar nestes dias. O rompimento do governo cubano com o programa Mais Médicos do governo brasileiro. Tão radical que não esperou nem mesmo o fim de um contrato que está em vigor e cujas mudanças só poderiam ser feitas a partir do ano que vem. Não temos nenhuma dúvida de que o Brasil sofrerá com a falta de médicos para atender populações carentes hoje supridas com estes profissionais. O que me surpreende é o fato de colegas estarem centrados em críticas ao futuro presidente. E silêncio absoluto sobre um crime horrendo, detestável e abolido por toda a humanidade, o da escravidão , praticado escancaradamente pelo governo cubano. Mais cruel que a dos escravos negros vindos da África nos idos tempos. Àqueles eram vendidos como mercadorias e suas famílias lá permaneciam ao Deus dará. Havia pouca chance de retorno dos que vinham escravizados. Com a Abolição, muitos juntaram-se novamente aos seus e reconstruíram suas famílias. Aqui a situação é mais cruel. Não há chance para os médicos cubanos tentarem a liberdade. Suas famílias são prisioneiras do regime. Há o silêncio, o desconhecimento e a complacência dos nossos colegas e analistas. Enxergam a carência brasileira mas não admitem que o Brasil até aqui foi conivente com este crime hodierno do trabalho escravo. Ou não é? Me digam e me argumentem colegas e analistas se o governo cubano é ou não, Senhor de Escravos? Sei que Bolsonaro talvez nem tenha pensado em confrontar o regime de Cuba. Mas será que poderia ser conivente com a importação de escravos em pleno século 21? Colegas e analistas, me comprovem e demonstrem que estou errado. Chico, Caetano, Gil e tantos outros arautos deste sistema, levantem suas vozes e continuem ignorando este crime, mas a história será impiedosa aos seus atos. E a sua omissão, principalmente. É justo o cerceamento do direito de ir e vir dos cidadãos? É justo que não possam exercer suas profissões em outro lugar sem terem que pagar dízimo aos seus feitores? Sem colocarem em risco a vida dos seus? É esta a liberdade que pregam? Os senhores dos escravos determinaram o retorno dos seus deserdados após o simples anúncio de que este tráfico não seria mais aceito pelo futuro governo brasileiro. Lula entregou dois lutadores que pediram asilo aqui por não desejarem voltar ao regime escravocrata da ilha. E agora reclamam que o governo brasileiro pretende entregar um criminoso confesso, julgado e comprovado pela justiça italiana. Caros colegas de profissão, há cerca de 40 anos escrevi um poema, premiado em concurso nacional, por um júri rigoroso e formado por excelentes escritores mas certamente com bondade e generosidade. Era uma simples profissão de fé daquilo que eu assumia com convicção, ser Jornalista. Hoje sei o quanto isto continua custando, mas não me afasto do que assumi, a defesa da liberdade, da verdade. E lamento os profissionais que navegam sobre o sabor das ondas e das oportunidades oferecidas por mercadores de ocasião.” Direto de Brasília, José Woitechumas.

    • Lilian, chamar Rede Globo, Folha de São Paulo e Revista Veja de imprensa, é bondade sua, isso não passa de um lixo a serviço de uma ideologia burra que já faliu em todo o mundo.

  3. Humberto, como vc, médico, acha que vai ser suprida a lacuna da fuga desses cabocos ditos médicos?
    Mais: acabo de ler que no Estado de São Paulo há 1.394 deles, mais que Bahia, 822, e Minas, 596, somados, o que contraria a tese de que o programa foi criado para atender os grotões. Como vc vê isso?

    • Abel, nós temos como preencher as lacunas, sim. Hoje o país conta com 450.000 profissionais. Mas tudo tem que ser feito com critérios, sem o proselitismo político usado pela anta Dilma Rousseff com fins puramente eleitoreiros e ideológicos. Os médicos cubanos são pura enganação e a população pobre não merece ser enganada, levada no “bico”. Sou jipeiro e nos últimos 20 anos conheci ou pelo menos transitei por pelo menos 90% dos mais de 5.600 municípios brasileiros. Costumava parar nos postos de saúde lá dos grotões e conversar com os coitados dos colegas que faziam o possível e o impossível para exercer a profissão, mas não o suficiente por total impedimento técnico, falta de retaguarda (material, medicamentos e laboratório). Essas quadrilhas agiram de má fé quando criaram esse programa. Sabem que medicina não se faz com reza, se assim fosse, bastaria o padre da paróquia ou o da paróquia vizinha, e especificamente, na Bahia, o pai de santo.

  4. Prezado colega de Medicina e da arte de desconstruir as quadrilhas que querem fazer do Brasil um feudo cujos vassalos tem a obrigação de produzir e produzir, tendo como combustível apenas um vale de compras limitadas no supermercado esvaziado enquanto os senhores feudais continuam nos seus castelos, iates e aviões, com a imprescindível companhia dos “scotchs” e dos Brunelos, Barolos e Chateneuf du Papa.

    Ontem não consegui me segurar ao ler uma nota de apoio ao regime cubano ao mesmo tempo que colaborava para tentar desestabilizar o Presidente eleito Jair Bolsonaro, publicando na nossa rede (de assuntos de imunologia e alergia) a informação do desligamento dos médicos cubanos.
    Reproduzo abaixo a manifestação da cubana, minha resposta e o comentário que o Estadão publicou ontem. Com referência ao crime lesa-pátria tenho os documentos que podem comprová-lo.
    Abraços do Antonio Carlos.
    Antonio Carlos,

    Prezados irmãos brasileiros.

    Participo de uma rede internacional de Alergologistas. Qual não foi minha surpresa ao ler, no dia de hoje, um comentário político feito por uma médica cubana, intrometendo-se na nossa política, como verão lendo sua manifestação a respeito da decisão dos cubanos de abandonarem o programa Mais Médicos. Não me contive e resolvi responder em meu nome e, creio, no de todos nós brasileiros.

    Por coincidência, o Estadão publicou no dia de hoje meu comentário à respeito, que reproduzo ao final.
    Encaminho a manifestação da cubana, minha resposta e meu comentário publicado hoje no Estadão, “Muda Brasil”..

    Mirta Alvarez Castelló
    Cuba Alergia 2019
    8-11 Octubre 2019. Palacio de Convenciones de La Habana

    De: ” Mirta”
    Enviada: 2018/11/16 01:05:35
    Para: blopez@infomed.sld.cu
    Cc: red-slaai@googlegroups.com
    Assunto: [red-slaai] Declaración del Ministerio de Salud Pública de Cuba

    La Sociedad Cubana de Alergia, Asma e Inmunología Clínica apoya la declaración del Ministerio de Salud Pública de nuestro país y condena la actual campaña del presidente recién electo de Brasil, Jair Bolsonaro, por sus palabras y acciones de irrespeto contra los médicos cubanos. Nos solidarizamos con todos nuestros colegas que trabajan muy lejos de sus familias y su país, para asegurar la salud de los más necesitados en Brasil y el mundo.

    Por su interés, y porque consideramos necesario compartir nuestra posición con contactos dentro y fuera del país.

    De: “acarlosgs”
    Enviada: 2018/11/16 18:32:15
    Para: red-slaai@googlegroups.com
    Assunto: RE: [red-slaai] Declaración del Ministerio de Salud Pública de Cuba
    Prezada Sra. Mirta Alvarez Castelló.

    Preliminarmente é de interesse geral esclarece-la que esta rede se destina a comunicações de caráter científico. Portanto sua manifestação, que é de cunho político, situa-se fora dos objetivos da red-slaai, principalmente quando feita, como neste caso, com o intuito de se intrometer num assunto da política interna de outro país, o Brasil, Por isso perdoem-me os colegas alergistas por responder à colega cubana.

    Se não sabe sinto-me na obrigação de informá-la que o programa político do Presidente eleito Jair Messias Bolsonaro, no qual se insere um tratamento digno ao ser humano, quer médicos cubanos quer pacientes brasileiros, foi chancelado pela maioria de brasileiros que lhe destinaram de 57, 797 milhões de votos, uma vitória impossível de ser contestada.

    No que concerne ao assunto em pauta, é de nosso interesse que saiba, e fique bem claro, que o governo Bolsonaro iniciar-se-á somente em janeiro de 2019. Portanto quem tomou uma medida apressada e atabalhoada foi o seu país, baseado apenas em promessa de campanha, aliás, diga-se de passagem, que apoiamos, como lhe explicarei mais adiante. Caberia a nós, brasileiros, perguntar a Cuba o porquê dessa intempestiva medida .

    Convém também informar que é nossa tradição recebermos de braços abertos todos aqueles que vem para nos ajudar a suprir as nossas deficiências. Assim sendo, recebemos também, com a mesma satisfação, os médicos estrangeiros que queiram aqui clinicar. Mas, por acharmos que todos são iguais perante a lei, não queremos que nossos compatriotas de menos recursos, portanto os mais pobres, sejam atendidos por indivíduos cujo conhecimento médico não foi aferido. Por isso todos os médicos formados no estrangeiro são submetidos a um exame de conhecimentos médicos, O REVALIDA, tornando-os capazes de atender quaisquer pacientes. Mas o Partido dos Trabalhadores, então no poder, impediu que os médicos cubanos fizessem o Revalida. À época, todas as entidades médicas brasileiras protestaram, incluindo protestos públicos, dos quais eu também participei. Por que nossos irmãos menos afortunados, especialmente aqueles moradores longe dos grandes centros, devem ter uma atendimento cujo conhecimento médico não foi aferido? Não os consideramos pessoas de segunda classe. É isso que defendemos e apoiamos.

    O programa de governo do futuro Presidente tem outras exigências para com Cuba mas de caráter humanístico. Também as apoiamos mas não cabem discutir neste espaço.

    Esperando ter-lhe sido útil, subscrevo-me

    Prof. Dr. Antonio Carlos Gomes da Siva .
    Alergologista

    MUDA BRASIL
    Nem tomou posse e já colhe frutos das promessas de campanha. Ontem, 14/11/2018, Cuba anunciou sua saída do Mais Médicos porque o Presidente eleito Jair Bolsonaro prometeu exigir: 1 – Exame de suficiência para os médicos cubanos, o Revalida, exigido para médicos formados no exterior clinicarem no Brasil. Ardilosamente o PT dispensou os médicos cubanos desse exame, gerando protestos infrutíferos das entidades médicas brasileiras. 2 – Pagamento do salário de 10 mil reais mensais diretamente ao médico cubano e não à Cuba, pois o governo cubano apropria-se de 75% do salário do médico. Por outro lado, os 11.400 médicos cubanos dos primeiros anos do Mais Médicos custaram ao Brasil 114 milhões de reais/ mês, importância equivalente a 4 meses do custeio de 2.000 leitos e 6.000 atendimentos/dia do Hospital das Clínicas de São Paulo do qual fui Superintendente. Verdadeiro crime lesa-pátria. 3 – Permitir aos médicos cubanos trazerem seus familiares, hoje proibidos pelo regime “democrático” de Cuba. Presidente eleito Jair Bolsonaro: continue executando, sem titubeio, suas promessas de campanha, bandeiras da imensa maioria dos brasileiros, tanto dos que votaram no senhor como de muitos outros que o tinham como falastrão.

    • Colega, parabéns pela sua precisa resposta à cubana. A primeira luta, a eleição, foi ganha, mas a quadrilha não quer perder a boca e vaia continuar a jogar sujo. Não vamos baixar a guarda. A luta continua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *