CADA DIA É UM DIA

Por Humberto de Luna Freire Filho

A RECEITA FEDERAL NÃO ENTRA NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF)
Resultado de imagem para imagem para o fisco
IMAGEM: Portal Contábil.

SÃO VACINADOS  ANTI-FRAUDE  –  ADQUIRIRAM  IMUNIDADE TOTAL
Resultado de imagem para Imagem para gilmar mendes
IMAGEM: Jornal da Cidade Online

Para esse domingo eu  estava esperando uma única novidade – o fim do horário de verão. Mas para minha surpresa tomei conhecimento de uma outra novidade, essa  dada pelo  jornal O Estado de São Paulo, em editorial na página três,  sob o titulo de “Abuso Evidente”. Tá lá, veja para crer!!! Aliás esse editorial me fez pensar duas vezes se depois de 34 anos como assinante desse jornal, devo continuar sendo. Já chega a Folhalixo, a Vejalixo e a Globolixo. Hoje as redes sociais nos dão informações suficientes para que possamos formar nossos juízos de valores com isenção e consciência esclarecida.

A minha surpresa não se resume a linha  editorial adotada pelo jornal nos últimos tempos, com visível parcialidade por conta talvez de um viés político e ideológico. Não quero insinuar que exista influência de outros interesses menos republicanos. Mas isso já não é novidade para os leitores não comprometidos com ideologias e essa politica podre que domina o pais. O que mais me chamou a atenção no referido editorial foi a tentativa de proteger bandidos de altos coturnos, sonegadores e transgressores da lei.

O editorial começa da seguinte maneira “A investigação efetuada por uma auditoria da Receita Federal nas declarações de renda do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e de sua mulher Guiomar Mendes não é apenas indevida” (???). Em seguida classifica o fato de ARBÍTRIO. Ora,  está nas redes sociais para o conhecimento de todos, que os rendimentos do ministro como funcionário público são incompatíveis com sua movimentação financeira. Sei que ovos sob temperatura adequada se reproduzem  mas dinheiro NÃO!

Pergunto aos editorialistas de jornal – quem pode e deve ser fiscalizado e quem não pode nem deve ser ser fiscalizado? Não tem muito tempo que fiz uma DEVIDA dedução em minha declaração anual por conta de um tratamento dentário efetivamente realizado (não comprei recibos), e que não foi aceito pelo fisco. Resultado, além de perder  minha restituição,  ainda tive que pagar uma  multa. A perda da restituição somada a multa  representou R$ 6.000,00 em valores da época. Pena que esse valor foi para a conta corrente de bandidos, quando deveria ter ido para a saúde e para a  educação.

Infelizmente não sou ministro do supremo, aliás posso até dizer FELIZMENTE. Sou profissional liberal e nada devo a ninguém. Não devo  nem  satisfações a quem quer que seja. Não sou sócio de banca de advogados, não vendo Habeas Corpus (HC), nem tenho investimentos em Portugal, posso andar nas ruas do Brasil e de Portugal ( fiz isso recentemente), além de aeroportos, sem ser chamado de ladrão e de FDP. Por  fim não sou conhecido pela alcunha de  laxante (solta tudo). Meu nome de guerra – Dr.Luna –  é limpo pós 44 anos de vida profissional. Confira.

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos, inclusive os corruptos dessa  imprensa apodrecida.

Facebookmail

26 ideias sobre “CADA DIA É UM DIA

  1. Olha Humbertinho, e publico e notorio que so nos pessoas responsaveis que pagamos pontualmente absurdos impostos.Esses canalhas usurpadores conseguem driblar trocando favores com altos funcionarios da receita.Arbitrariedade e saber que sujeitos desclassificados Gilmar Mendes fiquem livres e impunem.Continuo descrente que vamos ter um.novo Brasil.

  2. Há muito o Estadão deixo de ser um jornal de escol, ainda não é um pasquim
    como a Folha mas esta impregnado de semialfabetizados e esquerdistas.M

  3. Olá Dr Humberto Luna Freire Filho.
    Li seu artigo e gostei muito do que li.. Soum sobrevivente reconhecido pelos meus médicos e um idosoque vai completar, acho ue 87 anos, em junho próximo.

    Já removeram cerca de meio metro do colon descendente e muitos enfartes e AVC’s me sinto muito bem,e tenho razoável memória e me locomovo cçm natural facilidade.

    Seu nome Luna Freire me lembra uma época que aos 18 anos trabalhei na Cobrasil que era conduzida por um Luna Freire, conhecida pela construção de portos e fui indicado pela família Basilio,

    não continuei lá porque ia cursar um pré-vestibular, será que aquele Lima Freire era seu parente?

    oável memoria e me movo com razoável disposição e foco intelectual bastante ativo,

    • Locht, não posso afirmar com segurança que era parente, a família é muito grande e está espalhado por todo o Brasil. Mas tendo LUNA FREIRE, é muto provável. Houve um pacto há 5 gerações passadas para que não houvesse separa dos nomes. E assim foi feito, inclusive para os descendentes do sexo feminino após o casamento quando se costuma acrescentar o nome do marido.

  4. Humberto, como não mais assino o Estadão, não li esse editorial mencionado em sua exposição aqui. Mas só de pensar que trata-se de assunto referente ao ministro Gilmar Mendes, meu estômago revirou. É, a fotografia dele, ao lado da esposa, mostrando um semblante arrogante, cheio de si, com ar de quem faz de bobo todos os brasileiros comuns-mortais, desanima qualquer um. Mas desanima também a cara de boi sonso do Marco Aurélio Melo, a cara de salafrário de Ricardo Lewandowski, e a cara envergonhada de petista enrustido do Tofolli. Fica claro para mim que o sistema de indicação de ministros no Brasil precisa ser mudado. Todos esses ministros mencionados estão no Supremo graças às irresponsáveis indicações de Collor (Marco Aurélio Mello), FHC (Gilmar Mendes) e Lula (acho que os dois restantes). É péssimo para o país ter em sua mais alta corte de justiça ministros tão descomprometidos com o Brasil. Juízes comprometidos apenas com os interesses dos presidentes que os indicaram. O STF é mesmo uma vergonha para o Brasil, graças a esses juízes. Mas vou além do STF. Está mais do que na hora de rever os privilégios dos magistrados brasileiros, talvez os mais bem pagos pagos em todo o mundo. Podemos dizer hoje que o judiciário mais se serve do Brasil do que serve o Brasil.

      • Além do salário, há muitos privilégios absurdos. A magistratura virou um estado dentro do estado. Há muito tempo li um livro, de um diplomata aposentado (nem sei se está vivo ainda) J.O. de Meira Penna, que falava da formação da administração pública no Brasil. Ele dizia que essa se inspirou no modelo lusitano, ou seja, aos amigos tudo, em prejuízo de mérito, do interesse público. Acabei de encontrar o livro: O Dinossauro. Quando a corte portuguesa fugiu para o Brasil,em 1808, foram sendo criados cargos para colocação dos fujões, ou seja, com aquele sentido de propiciar bons empregos para os amigos. Voltando aos tempos de hoje, fico contente em saber que há movimentos, como o MBL, que já começam a articular ações visando alertar os brasileiros menos informados de que o Brasil é o senhor das corporações de funcionários, e não o contrário.

        • Abel, minha praia é outra, mas, me arrisco a dar uma opinião sobre o funcionalismo público no Brasil. Acho que a moralização só vem quando todos os funcionários forem concursados. Essa excrescência chamada de cargo de confiança deveria acabar. Aliás eu nunca entendio a denominação “CARGO DE CONFIANÇA”. Isso significa que o contratado não pode bater com a língua nos dentes? Será que é isso mesmo?

  5. Olhe Humberto, meu bom dia a você. Estou cansada de ler e ouvir esses tipos de relatos nos nossos jornais e nada acontecer. É de estarrecer a cara de pau dessas pessoas nada desconhecidas e que deveriam dar bons exemplos. Mas nem vergonha na cara eles herdaram para preservar a família, que deve estar envergonhada de levar um sobrenome desses dai……….Que eu saiba antigamente eles tinham vergonha para pelo menos não escancarar, mas agora não estão nem aí se lixando para o que fazem, pensam e o que falam os jornais, estão na boca do povo para não dizer lixo. Mas o que isso tem a ver com eles: estão recheados de dinheiro e grana compra tudo segundo eles………… a honra, a moral, a ética e la´estão essas senhorias, pois não merecem serem chamados de excelências e sim de excrescências brasileiras e que não honram o Brasil onde moram , tampouco o povo que labuta muito e ganha um miserável e vergonhoso salario minimo por mês….
    O pior é termos uma mídia que ainda os defende e esse País está cada vez mais frouxo e acovardado para dar um fim em tudo isso. Refiro-me á revogação Pec da Bengala, à retirada de assinaturas de 3 senadores para a instalação da CPI do Judiciário…e por aí vai…Nao é desanimador??? Como está dificílimo mudar esse País??? Até quando???????

  6. Humberto suas palabras traduzem com muita fidelidade o sentimento de um povo que já não aguenta conviver com esta escrachada, escancarada, despudorada inversao de valores que se abateu sobre nós. Somis de uma geração em que a ética, a moral e os bons costumes não eram objeto de barganga.

  7. Humberto
    Eu ASSINEI por 38 anos o Estado , mas observei nos últimos anos uma mudança abrupta na linha editorial.
    Quando fiz o cancelamento da minha assinatura , certifiquei-me com a atendente que a ligação estava sendo gravada e disse: “Cancelo minha assinatura de 38 anos pois o Estado virou um lixo ,perdeu totalmente sua linha de direita , conta com editoriais ridiculamente tendenciosos e seleciona pessimamente pessoas como o arcaico e socialista Fernando Henrique , Vera Magalhães e outros que me enojam com seus textos. Não me liguem por favor para reativar minha assinatura pois irei maltratar quem o faça. Se por acaso um dia pensarem em retomar à sua linha editorial , antes me provem e analisarei a possibilidade!
    Elcio Espindola

  8. Prezado Dr. Humberto,

    Dr. Humberto,

    “Ovos sob temperatura adequada se reproduzem”, desde que o galo tenha contribuído para tal. No caso de reprodução de dinheiro, onde está “galo”, leia-se “corrupção”.
    Abraço,
    Roberto

  9. Olá Humberto,
    Você tem razão. O Estadão já não é o mesmo. Minha familia é assinante deste jornal há 107 anos. Eu aprendi a ler no próprio jornal. Nos anos 80 tive o prazer de trabalhar no Estadão na administração.
    Durante esse tempo admirei muito mais Lainda a coragem, os ideiais democráticos da familia Mesquita, a cultura do Estadão enfim tuod o que eles representavam.
    Mas isso acabou. A empresa deixou de ser familiar, a à beira da falência entrou no jogo de conseguir dinheiro para sobreviver à qualquer custo. Lamentável. Não sou mais assinante do Estadão.
    Abcs

    • Marcia, já cancelei minha assinatura da VEJALIXO não assisto mais a GLOBOLIXO, e estou pensando seriamente em cancela a minha assinatura do Estadão. Não dá para ler os editorias nem a coluna de Eliane Cantanhêde. A nossa imprensa apodreceu.

  10. eeiiiii, Humberto!!
    Quando iremos parar de nos indignar, hem?
    Acho que isso acontecerá somente no dia em que nos convencermos de que não dá pra confiar na imprensa, simples assim!
    Jornais e redes de televisão, parciais, mentirosos, e comunistas!
    Fiquemos com as redes sociais respeitáveis e confiemos na nossa intuição!
    Abraço pra você!
    Quanto ao imposto de renda… socorro, Bolsonaro! Poupa os bandidos e nos sufoca!

    • Anita, tudo isso prova, sem sobra de duvidas, que a imprensa nacional não passa de gigolô do dinheiro público através das publicidades oficiais superfaturadas e que agora vão acabar.

  11. Caro Humberto

    Li seu comentário sobre a posição do ESTADÃO nesse domingo, quando o jornal defende o Gilmar. Confesso que fiquei decepcionado. Afinal, quando teremos uma imprensa independente, séria e honesta. Será que pensam que os leitores não todos néscios?
    Também, não cansam de tentar “melar” a administração política do Bolsonaro, dando importância a coisas que, pela própria irrelevância, não têm a menor importância. Tenho acompanhado o Facebook diariamente, e procuro separar o joio do trigo, e penso que os novos políticos têm importância capital para virar esse lamentável estado de coisas, herdado pelo Bolsonaro, que estão sendo descoberto todo dia..
    Dia desses, você trocou “falando ..” por “flando …” – Brasil país de bandidos – e não conseguia acessar o bloguinho. Depois, lembrei que às vezes você, como eu, troca letras.
    Grande abraço e ótima semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *