SEGUNDO ALEXANDRE DE MORAIS PENSAR É CRIME DE SEGURANÇA NACIONAL

Por Humberto de Luna Freire Filho

PENSE NO QUE ANTES VAI PENSAR PARA NÃO SER ENQUADRADO NA “LSN” Resultado de imagem para IMAGEM PARA ALEXANDRE DE MORAESIMAGEM: Agencia Brasil – EBC

COMPRE SEU CHIP PARA CONTROLE DE PENSAMENTO – NÃO CORRA RISCOSResultado de imagem para IMAGEM PARAFABRICA DE CHIPS
IMAGEM: Canaltech

Ontem à noite depois de rezar para que  Rodrigo Janot realize seu sonho, rezei também para que termine a semana sem ter que ver, ouvir, ou ler mais imoralidades e  idiotice provenientes dos podres e desmoralizados poderes Judiciário e Legislativo. Inútil, ou meu santo está fraco ou dormiu antes de mim. Veja a manchete que invadiu o meu PC logo na manhã desse sábado. “Moraes diz que caso de Janot se enquadra na Lei de Segurança Nacional”. Aviso aos navegantes não pense muito, você poderá ser processado. A justiça brasileira atingiu o cúmulo do ridículo, explico.

Senhor Alexandre de Morais, sem querer justificar a declaração pública do ex PGR Rodrigo Janot, aliás uma confissão que considero, diga-se de passagem, uma extrema idiotice, gostaria de saber se a partir de seu reinado na Suprema Corte, pensar passou a ser crime e mais, de “segurança nacional”. Janot não cometeu crime, apenas pensou. E se eu lhe dissesse que certa vez teria pensado em meter uma azeitona quente no meio dos cornos do corrupto Luiz Inácio Lula da Silva, teria eu, com o meu pensamento cometido crime contra a segurança nacional? Seria eu processado por sua desmoralizada Corte?

Para finalizar mais uma pergunta: Adélio Bispo de Oliveira, pensou e sim executou um crime. Foi um crime de Segurança Nacional, esfaquear um candidato à presidência da República praticamente eleito, e nas vésperas da eleição?  Sim ou Não? Sei que não é uma prerrogativa da Corte tomar qualquer atitude nesse sentido, até porque Jair Messias Bolsonaro não é Gilmar Mendes e não fazia nem faz parte da confraria. Mas acho até cabia na época, pelo menos um pronunciamento extra oficial da Casa. O que pelo menos eu nunca tomei conhecimento de que tenha havido.

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Facebookmail

26 ideias sobre “SEGUNDO ALEXANDRE DE MORAIS PENSAR É CRIME DE SEGURANÇA NACIONAL

  1. Esses “deuses” que acham q são jamais deveriam ser nomeados pelos presidentes da republica!
    Mais uma vergonha estabelecida em nosso país!
    O que essa suprema corte já fez de acordo com seus amiguinhos e companheiros para q nos tornassemos reféns de suas atitudes duvidosas é de envergonhar o próprio nome Brasil onde o bandido vai pra rua pra cometer mais crime a vontade e o policial é morto, o juiz herói vingado e esculachado e o pacote anti crime vira crime!
    Os reis mandam e comandam e o povo acata, ninguém desacata e assim vamos os 200 milhoes de cordeirinhos abaixando a cabeça, obedecendo, e se não obedecer tb pode ir pro xilindró!!!
    Esta piada não é piada é verdade e acontece no país q virou o buraco do mundo em dignidade em moral em honestidade em justiça e em falta de vergonha na cara!

  2. Realmente, eles são todos poderosos, nunca enquadraram as invasões do MST, dos Sem Teto como terroristas além dos autores de quebra quebras de que se valeram os esquerdistas nas passeatas em prol de bandidos do governo… e de enquadra-los na Leia da Segurança Nacional, muito estranho nota-se o corporativismo e o medo dessa gentalha que ocupa O STF. Rapidinho resolveram tudo em defesa pessoal, se fosse seu Manoel da Silva nao lhe teriam ouvido além de solenemente mandado-o às favas…

  3. Humbertinho, ate quando vamos ficar sentados a beira do caminho, esperando que um milagre aconteça. Uma implosão nesse supremo com todos os canalhas conspirando, é sonhar demais. Precisamos de uma intervenção urgente, esse supremo esta zombando do presidente da República. Cadê os defensores da pátria.

    • Tia, não vai ficar assim, como não fazemos parte do clero (Primeiro Estado) nem da nobreza (Segundo Estado) a sociedade esclarecida está se organizado para o “tiers état” – Terceiro Estado. Vamos imitar a Revolução Francesa kkk.

  4. Não sabemos mais o que pensar, o que esperar ou o que fazer, Humberto!
    Nem nos nossos piores pesadelos imaginamos que a Justiça Brasileira e o Parlamento fossem apequenar-se dessa maneira, e voltar-se descaradamente contra nós as pessoas de bem!
    Nunca esperei que o Presidente da República, legitimamente eleito por nós, pudesse ser alvo de uma perseguição criminosa como essa que temos presenciado todos os dias!
    O que podemos fazer?
    Armar um cadafalso?

  5. Na entrevista que o ex-pgr Rodrigo Janot deu a Veja disse que tinha o desejo de matar o Ministro. Até esse ponto não é crime, visto que está na fase de cogitação. É o que se chama “direito a perversão”. Mas pelo próprio pronunciamento dele, o mesmo iniciou a execução. E os atos executórios são punidos sim. E o ex-PGR cometeu crime ao executar o plano de executar o Ministro da Suprema Corte, assim como qualquer um comete crime ao executar um plano. Para um melhor entendimento vou exemplificar: Imagine que um “João” pensou em matar a sua mãe “Maria” envenenada por não ter dado dinheiro para ele. O pensar em matar é fase de cogitação e não é punível. Ele vai em uma loja e compra veneno. O ato de comprar é a fase de preparação e, em regra, também não é punível. Continuando a saga para matar a mãe, o mesmo coloca o veneno no copo de água que a mãe vai beber. Nesse momento começou os atos executórios e a fase executória é punível. Nesse momento cometeu crime. A mãe segurou o copo e quando vai beber a água, por uma acaso, o copo cai da mãe e quebrou. A fase da consumação não foi efetiva. E a mãe não bebeu o veneno e não morreu. Mas independente de não ter consumado o crime, o crime ocorreu. Foi um crime tentado, e é punível.
    O exemplo narrado acima, é parecido com que o Ex-PGR narrou na sua entrevista a revista Veja. E que os atos cometidos, visto que iniciou-se a execução, são puníveis apesar da finalização não ocorreu a consumação do fato.
    Desta forma, o Ministro Alexandre de Moraes foi correto e acertou na decisão
    ação que solicitou
    Caso deseje melhor esclarecimento clique no link abaixo:
    http://www.albertodantasadvogados.com.br/?page=_Whisper.BlogSingle&key=2&id=19

    • Caro Alberto Dantas, eu sendo Alexandre de Morais antes de promover toda essa palhaçada, eu teria procurado através do serviço de segurança do próprio STF se o procurador realmente teria estado no local naquele dia. A verdade é que no “fatídico” dia ele estava a nada mais nada menos de 750 km de Brasília e só retornou a capital federal no dia seguinte após uma palestra na universidade. O frustrado delegado de polícia pisou no tomate.

        • Dantas, o que eu acho estranho em tudo isso é que, primeiro: o PGR estava lançando um livro e nada com usar a falida VEJALIXO para fazer um “comercial gratuito”, segundo: o STF tem um sistema da segurança, inclusive com detector de metais e se o PGR tivesse entrado portando uma arma (ele tem direito a porte) seria detectado e estaria registrado em um arquivo de ocorrências que poderia ser facilmente consultado por qualquer ministro depois que surgiram os primeiro cometários que deu lugar a toda essa palhaçada, terceiro: a função de um ministro não é a de Delegado de Polícia. O que foi feito por Alexandre de Morais, não é nem nuca foi prerrogativa da Casa.

Deixe uma resposta para Anita Driemeier Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *