PAÍS QUE SE PREZA TEM DUAS MOEDAS

Por Humberto de Luna Freire Filho


IMAGEM: www.mundodastribos.com

O Acarajé, nome de tradicional comida baiana, agora também passou a ser nome de moeda corrente no mundo dos corruptos. Eu realmente não sei qual o valor de um acarajé iguaria, e muito menos de um acarajé moeda, mas que ele circulou livremente no escritório da Odebrecht no Rio de Janeiro, eu não tenho nenhuma dúvida. As explicações para a moeda extraoficial tem várias versões, porém, a mais interessante é a que foi dada pela secretária da construtora, a senhora  Maria Lúcia Tavares, em depoimento à Polícia Federal (PF). Segundo ela, o “acarajé” não é moeda, é literalmente uma iguaria. Ela jura de pés juntos.

Eu acredito, e tenho certeza de que seja adorada por Roberto Ramos o “sobrinho” de Hilberto Mascarenhas, chefe da depoente que autorizava a entrega de  50 unidades por vez para o querido sobrinho. O cara tem intestino de elefante. Eu ficaria 5 dias sentado no “trono do reizinho”. Um detalhe que me chamou a atenção, e que eu faria diferente, é a questão da logística de alto custo e com risco de deterioração de um produto perecível a curto prazo. Ô Raminho, não seria mais fácil e de menor custo contratar a baiana e leva-lá para o Rio de Janeiro? Vou enviar essa nova pérola do anedotário brasileiro para alguns parentes e amigos que residem nos Estados Unidos.

Humberto de Luna Freire Filho, médico

Facebookmail

2 ideias sobre “PAÍS QUE SE PREZA TEM DUAS MOEDAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *