QUEM NÃO DEVE NÃO “TEMER”!!!

Por Humberto de Luna Freire Filho   *deputado não reeleito é deputado preso*

Resultado de imagem para imagem para carregador de malas
IMAGEM: ANSA Brasil

Cresci ouvindo a minha avó sempre pronunciando a seguinte frase: “quem não deve não teme”. Agora vejam: a Polícia Federal (PF) solicitou a quebra do sigilo bancário e fiscal do presidente Michel Temer, supostamente envolvido em falcatruas e negociatas envolvendo concessões e benefícios a uma empresa que atua  no porto de Santos-SP, mais precisamente a Rodrimar. É de conhecimento público que havia nessa escabrosa história até carregador de malas repletas de dinheiro sujo.

Acontece que a procuradora Raquel Dodge, sem querer fazer mal juízo, indicada para o cargo pelo próprio Temer, não aceitou que a medida fosse tomada. Ora, não dá para entender, essa seria a melhor oportunidade de se comprovar publicamente que o mordomo não tem rabo preso com ninguém, Não é verdade? Se alguém quiser quebrar meu siglo bancário, não precisa de nenhuma ação judicial, eu autorizo por escrito. Só não forneço a senha eletrônica, principalmente se houver petistas por perto.

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Facebookmail

14 ideias sobre “QUEM NÃO DEVE NÃO “TEMER”!!!

  1. Boa noite, Humberto
    Estou enganado ou li qualquer coisa por esses dias que contraria o que vc diz, ou seja, que a procuradora está mandando investigar essa história.
    Estou tão focado na prisão do cachaceiro que não presto atenção ao noticiário sobre a bandidagem B.

  2. Humberto, tenho certeza de que o Brasil que você gostaria que existisse é o mesmo que eu gostaria, ou pelo menos seriam Brasis muito parecidos. E esse Brasil, certamente, ainda está a uma longa distância da gente. Mas não nego que tudo mudou a partir da Operação Lava-Jato. Por mais que juristas mal intencionados não parem de criticá-la, a gente sabe que esses juristas estão pensando apenas no próprio bolso. Houve um Brasil antes da Lava-Jato e está havendo um outro Brasil hoje. Mas queremos mais. Queremos que o Brasil se torne mais republicano ainda do que já é. Então é preciso que não nos conformemos com atitudes de procuradores e principalmente ministros do STF, que ainda são moldadas no Brasil pré-Lava-Jato. Atitudes fundamentadas muito mais no formalismo jurídico, a chamada perfumaria jurídica, do que nas decisões fundamentais, objetivas, visando o aprofundamento das investigações.
    Uma das coisas que mais me agrada na Operação Lava-Jato é saber que nossos heróis de Curitiba beberam na fonte do direito anglo-saxônico, que visa a celeridade do processo, ao contrário do direito brasileiro, filho do direito romano e lusitano, cheio de formalidade, formalidade essa que só interessa aos infratores da lei, com procrastinação atrás de procrastinação. Vejamos o caso de Paulo Maluf, que só agora, quase nonagenário, vai para a prisão. Isso é o resultado de um direito que preza mais o formalismo do que o o seu objetivo principal, que é distribuir justiça.

    • Sem dúvidas, temos o brasil (com minúscula) de antes da Lava-Jato e temos o Brasil (com maiúscula) de depois da Lava-Jato. Gostaria imensamente que a República de Curitiba parisse mais 26 outras, uma para cada estado do país e o Distrito Federal.

      • Sim, que o espírito de Curitiba tomasse conta de juízes e promotores de todo o Brasil, deixando para trás o Brasil das leis com recursos intermináveis. E que finalmente esse espírito também tomasse as mentes dos juristas das cortes superiores. Nós não aguentamos mais esse formalismo jurídico, que só serve para proteger infratores da lei, sob o pretexto da eterna presunção de inocência.

  3. O Gilmar Mendes disse hoje que é contra se abrir uma investigação contra o Temer pelo fato ter ocorrido em 2014, ainda criticou seus pares do Tribunal, então é mais uma que vai acabar em pizza, Obs, O Segovia não precisa pedir demissão, já contaram a cabeça dele.

    • Edilson, o beissola, deixou de ser magistrado há bastante tempo, hoje é um politico integrado à quadrilha do Planalto. Eu já sabia que Segóvia não ficaria muito tempo no cargo. É despreparado para exercer a função.

  4. Neste Brasil dito varonil tem tanta coisa , tanta aberração e que as autoridades deveriam explicar seus motivos pois, somos leigos na área jurídica. E aí começam os disque me disque ensejando proteção e algo ilícito. Então, é preciso que nossas autoridades no geral tratem de explicar os motivos de suas decisões…Como bem dissestes quem não deve não teme, e esse velho ditado até hoje aplicável a varias situações ..mas os implicados não se tocam…

  5. É lamentável que tenhamos um Supremo Tribunal Federal que por meio de algumas de suas vozes, curiosamente a que mais alto parece querer falar, em detrimento de seus pares, ao invés de fazer Justiça faça mesmo é politica. A Defensoria Pública ai estar para agregar os que se colocam como defensores, ao invés de julgadores. Não precisamos de dois Congressos; um já estaria de muito bom tamanho. Clamamos mesmo diuturnamente é por Justiça. Uma Justiça isenta,imparcial e que corresponda aos anseios do povo. Ao ministro Luis Roberto Barroso todo meu respeito e reconhecimento.

  6. [2/3 13:36] Agnes: Acontece que Segovia esteve muito tempo lá no Maranhão, do Sarney, e deve ter se acostumado a ser servil ao chefe, que aliás o indicou em detrimento de Galloro ao cargo de diretor da PF. Como já chegou servil à Temer, declarando que: “uma mala com $$$$ nao provava nada,” indignou a parte boa da PF, que se levantou contra ele. Depois cometeu mais alguns deslizes. Acabou que a PGR e Barroso o advertiram por suas desastrosas declarações . Entao foi demitido do cargo. Mas ganhou um prêmio de consolação ( muito bom por sinal), de Temerque será o de adido da PF na embaixada d9 Brasil em Romapor 3 anos . La certamente tera vida mansa sem confrontos.
    [2/3 13:38] Agnes: para exercer a função de Adido Policial Federal na Embaixada do Brasil em Roma, Itália, pelo prazo de três anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *