A BANDA PODRE DO STF PERDEU

Por Humberto de Luna Freire Filho


IMAGEM: WordPress.com

A  BANDA PODRE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF)

IMAGEM: Trendsmap

Notícia animadora: hoje quinta-feira, 28, a moralidade conseguiu uma excelente vitória contra a imoral banda podre do Supremo Tribunal Federal (STF). Dois  casais  de corruptos formados por Gilmar Mendes, Dias Toffoli e as respectivas mulheres, além de centenas de outros corruptos, poderão ter suas falcatruas desvendadas após uma decisão em plenário, que autoriza compartilhamento total de dados financeiros da Unidade de Inteligência Financeira (UIF), órgão do Banco Central, antigo (COAF), e da Receita Federal  com o Ministério Publico (MP) sem autorização judicial.

O corrupto que infelizmente hoje preside a Casa e tentou construir um muro para defender a bandidagem, foi desmoralizado e isolado, o que eu e quem conhece o passado desse indivíduo  já esperava. Dias Toffoli além de incompetente é burro e  mais sujo do que pau de galinheiro. Quem quiser confirmar é só fazer uma pesquisa nos arquivos da Justiça do Amapá. Transcrevo texto abaixo  publicado pelo jornal Folha de São Paulo em 19 de setembro de 2009.

“Indicado pelo presidente Lula para o STF (Supremo Tribunal Federal), José Antonio Dias Toffoli foi condenado pela Justiça do Amapá no último dia 8, juntamente com outras três pessoas, a devolver R$ 420 mil ao Estado sob a acusação de ter ganho licitação supostamente ilegal em 2001 para prestar serviços advocatícios ao governo estadual. Se atualizado, o valor chega a R$ 700 mil” – O cara é do ramo há muito.

Humberto de Luna Freire Filho, médico – Cidadão brasileiro sem medo de corruptos

Facebookmail

4 ideias sobre “A BANDA PODRE DO STF PERDEU

  1. Pois é, ao menos algo a comemorar de positivo em nome da moralidade, mas será que esta alegtria ira durar pouco?? Vem ai mais um tapa na cara, a possibilidade do meliante Lula concorrer as eleições em 2022. Como?? “O julgamento que de fato importa a Lula é o do recurso que pede a suspeição de Moro com base em várias alegações, que vão dos procedimentos em relação ao petista (como a condução coercitiva em 2016, antes de ele ter sido intimado a depor) à aceitação do convite para ser ministro da Justiça do governo Bolsonaro, e por ter auxiliado de forma ilegal o Ministério Público Federal na acusação, como demonstraram diálogos entre ele e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava-Jato em Curitiba, revelados pelo site The Intercept Brasil em parceria com veículos como VEJA. A questão será decidida pela Segunda Turma do STF, que tem cinco ministros. Dois votaram contra a pretensão do petista — Edson Fachin e Cármen Lúcia. Gilmar Mendes, que pediu vistas e prometeu devolver o processo à pauta até novembro, e Ricardo Lewandowski são votos certos a favor de Lula, o que jogaria a decisão nas mãos do ministro Celso de Mello, que já colocou Moro sob suspeição uma vez. Em 2013, ao julgar um habeas-corpus apresentado pelo doleiro Rubens Catenacci, condenado no caso Banestado, Mello entendeu que o então titular da 2ª Vara Criminal de Curitiba havia extrapolado suas funções ao monitorar os advogados do réu, inclusive com interceptação telefônica, e ajudar o trabalho da acusação — as duas reclamações são feitas também pela defesa de Lula no atual processo. Se prevalecer a tese de suspeição, o julgamento que deixou o petista inelegível será anulado. Nesse caso, ele deixará de ser ficha-suja e poderá se candidatar nas eleições.”!!!!!!!!!!?????????????????? Nao aguento mais!!!! Esse maquiavelico senhor Lula atrapalha demais..mesmo que nao possa ser candidato os ignorantes desse Brasil achando que possa ser Presidente da Republica OUTRA VEZ, VOTARÃO NELE…porque rodando pelo Pais vai dizer isso e os tolos acreditarão…kkkk Se puder ser candidato fraudará as urnas como sempre fez e o pior continuará junto com a militancia mentindo, difamando e denegrindo a imagem de toos que lhe forem oposição e tudo descaradamente!!!! Ninguem consegue calar a boca desse bandido!! Governo frouxo!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *